Com certeza você já ouviu a expressão Shelf Life em algum lugar. Mas você sabe o que é?

É a vida útil de um determinado produto na prateleira, ou popularmente conhecido como “prazo de validade”, o tempo que um alimento preparado permanece fresco e próprio para consumo.

O Shelf Life de um produto começa a partir da sua data de fabricação e depende de diversos fatores como, os ingredientes utilizados, seu processo de produção, condições de higiene e armazenamento, mas um dos mais importantes é o tipo de embalagem utilizada.

A escolha da embalagem adequada a cada tipo de produto é essencial para aumentar sua vida útil, mantendo a qualidade, facilitando a identificação e viabilizando a distribuição até em locais mais distantes é uma das importâncias do Shelf Life.

Uma das soluções mais procuradas hoje em dia, por diversos segmentos, é a embalagem a vácuo.

Uma seladora a vácuo suprime todo o oxigênio da embalagem, que é o principal responsável pela deterioração dos alimentos, aumentando o Shelf Life.

Mas, outras opções, como Stand-up Pouch, também são muito utilizadas em diversos setores da indústria e comércio. Como você pôde perceber, para aumentar o Shelf Life, é necessário conhecimento técnico especializado, por isso é importante contar sempre com um parceiro de confiança para orientá-lo sobre a melhor embalagem para cada produto.

Muitos fatores podem influenciar o shelf life, sendo classificados, pelo IFST, em fatores intrínsecos e extrínsecos.

Os fatores intrínsecos são as propriedades do produto final,e incluem:

• Atividade da água (aw) (água disponível);
• Valor de pH e acidez total; tipo de ácido;
• Potencial redox ou valor redox (Eh);
• Oxigênio disponível;
• Nutrientes;
• Microflora natural e contagens de micro-organismos sobreviventes;
• Bioquímica natural da formulação do produto (enzimas, reagentes químicos);
• Uso de conservantes na formulação do produto (por exemplo, sal).

Os fatores intrínsecos são influenciados por variáveis, como o tipo de matéria-prima e qualidade, e pela formulação
do produto e estrutura. Os fatores extrínsecos são os fatores que o produto final encontra a medida que ele se move através da
cadeia alimentar, incluindo:

• Perfil de tempo-temperatura durante o processamento; variabilidade espacial de pressão;
• Controle de temperatura durante o armazenamento e distribuição;
• Umidade relativa (UR) durante o processamento, armazenamento e distribuição;
• Exposição à luz (UV e IV) durante o processamento, armazenamento e distribuição;
• Contagem microbiana ambiental durante o processamento, armazenamento e distribuição;
• Composição da atmosfera dentro das embalagens;
• Tratamento térmico posterior (por exemplo, reaquecendo ou cozinhando antes do consumo);
• Manuseio do consumidor.

Todos esses fatores podem operar de forma interativa e, muitas vezes, imprevisível, assim, a possibilidade
de interação deve ser investigada.Um tipo particularmente útil de interação ocorre quando fatores como a temperatura
reduzida, tratamento térmico brando, ação antioxidante e atmosfera controlada de empacotamento, operam em conjunto
para restringir o crescimento microbiano, chamado de “efeito barreira”.

Essa forma de combinação de fatores que, individualmente, são incapazes de impedir o crescimento microbiano,
mas, em combinação, proporcionam uma série de obstáculos, permite que os fabricantes usem técnicas de processamento mais brandas,
possibilitando assim uma maior conservação das propriedades sensoriais e nutricionais dos produtos.

A interação de tais fatores, intrínsecos e extrínsecos, inibe ou estimula uma série de processos que limitam o shelf life. Esses
processos podem ser convenientemente classificados como microbiológicos, químicos, físicos e relacionados à temperatura.

Em suma, a lógica é simples: agrupe produtos de acordo com as necessidades deste público, já que o consumidor desta linha apresenta características claras, como a busca por produtos saudáveis.

Não se esqueça de incluir regras de shelf life no seu guia de execução.